Basquete do Verdão vê saldo positivo na temporada: ‘Não deixamos de lutar’

O Palmeiras/Meltex despediu-se do NBB7 neste domingo (19), mas de cabeça erguida após um duelo equilibrado nas oitavas de final contra o Franca.

O Verdão de Régis Marrelli conquistou 12 das 15 vitórias no NBB7 em casa.  (Fabio Menotti/Ag. Palmeiras/Divulgação)
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+

O Verdão de Régis Marrelli conquistou 12 das 15 vitórias no NBB7 em casa. (Fabio Menotti/Ag. Palmeiras/Divulgação)

Após reverter a desvantagem inicial dos playoffs e empatar a série em 2 a 2, o Verdão forçou o quinto jogo contra o rival e acabou derrotado por 73 a 64, no ginásio Pedrocão, com muita luta e suor dos atletas em quadra. O empenho deixou o técnico Régis Marrelli orgulhoso, apesar de o resultado ter sido adverso.

“Nós tivemos altos e baixos no NBB. Foram problemas de contusão, reforma de quadra, jogos sem torcida por problemas externos. Tudo isso interferiu. Em casa fomos muito fortes, mas fora fomos irregulares, e isso também teve um peso. Se tivéssemos ganho dois jogos a mais, poderíamos ter o mando de casa nos playoffs. Como somos muito fortes em casa, acho que teríamos passado. É uma pena”, disse Régis, que inicia o projeto para a próxima temporada.

“Não deixamos de lutar, brigar, todos se empenharam. Fiquei orgulhoso por isso. Poderia ser melhor, mas quando o jogador veste essa camisa, o mais importante é isso. Agora teremos alguns dias para pensar, sentar e conversar com a diretoria, ver o que cada um pensa. Temos de discutir o que é melhor para o Palmeiras, sempre. O Palmeiras, por sua força, pelo amor da torcida, merece uma equipe para sempre brigar lá em cima”, completou o técnico do Verdão.

O armador argentino Maxi Stanic, muito emocionado após o jogo, também lamentou a desclassificação precoce nas oitavas de final. Principal ídolo da torcida do basquete alviverde, aos 36 anos, ele admite que a vontade da família deve pesar em sua decisão sobre a permanência no clube para a próxima temporada. Apesar de deixar a questão em aberto, manifestou seu carinho pelo Verdão e avaliou a participação no NBB como positiva de uma maneira geral.

Torcida palmeirense fez uma bandeira para o "maestro" Maxi Stanic (Fabio Menotti/Ag. Palmeiras/Divulgação)
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+

Torcida palmeirense fez uma bandeira para o “maestro” Maxi Stanic (Fabio Menotti/Ag. Palmeiras/Divulgação)

“Foi uma boa temporada, poderia ter sido muito melhor. Se tivéssemos ficado entre os oito melhores teríamos a vantagem de quadra, de decidir em casa, e aí seria diferente. Foi uma temporada boa. Estou triste, senti a eliminação, acreditava muito no time. A decisão sobre a permanência não é só minha. Gostaria de ficar pelo carinho da torcida, mas tenho 36 anos, uma carreira longa e muitos anos fora de casa. Estamos conversando”, declarou Stanic.

Veja mais

Autor: MP

Canal feito por palmeirenses e para palmeirenses. Notícias e opiniões com uma dose de arquibancada. Nossa missão é garantir informação de qualidade sobre a Sociedade Esportiva Palmeiras.

Compartilhe Este Post