“Cão de guarda”, Gabriel vê Palmeiras pronto para mata-mata e título

Jogador que mais entrou em campo pelo Verdão em 2015 exalta parceria com Arouca e entrosamento da equipe após obstáculos na primeira fase: “Vamos brigar forte”

Com belo gol contra o XV de Piracicaba, Gabriel esteve em campo em 17 das 18 partidas disputadas pelo Verdão em 2015 (Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação)
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+

Com belo gol contra o XV de Piracicaba, Gabriel esteve em campo em 17 das 18 partidas disputadas pelo Verdão em 2015 (Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação)

Contratado do Botafogo no fim do ano passado, o volante Gabriel virou o “cão de guarda” do Palmeiras. Escalado por Oswaldo de Oliveira na contenção do meio-campo, ao lado de Arouca, o jogador esteve em campo em 17 das 18 partidas disputadas pelo Verdão em 2015.

Enquanto a formação ideal do meio-campo continua como uma incógnita, com nomes como Valdivia e Cleiton Xavier na luta por uma vaga, a dupla de volantes é unanimidade. E o imparável Gabriel é uma das apostas da equipe para levar a melhor nas quartas de final do Campeonato Paulista.

No empate por 2 a 2 com o Ituano, jogo que fechou a primeira fase do estadual para o Palmeiras, apenas Gabriel e Rafael Marques representaram a equipe considerada titular. O volante admite: não esperava se firmar tão rápido no time e formar uma parceria de sucesso com Arouca em pouco tempo. Além dele, apenas o goleiro Fernando Prass jogou 17 partidas – número máximo no elenco alviverde até aqui.

– Eu não esperava ter uma média tão boa dessas, mas a gente sempre trabalha para isso. Estamos nos dedicando ao máximo para estar dentro de campo ajudando o Palmeiras. O principal é estar jogando, todo jogador quer estar em campo para ajudar. Estou muito feliz com esse número. Vou procurar manter a regularidade com vitórias e conquistas – afirmou.

No 4-2-3-1 utilizado por Oswaldo desde o início dessa temporada, Gabriel reveza com Arouca nos avanços ao ataque, transformando o esquema em um 4-1-4-1 quando o Palmeiras está com a bola.

Com finalizações de fora da área e aparições surpresa no setor ofensivo, o treinador considera a participação dos volantes na “engrenagem” do Verdão um dos fatores mais importantes para que a equipe aumente a própria dinâmica e surpreenda os adversários.

– Tanto eu como o Arouca temos características que combinam, de marcação e saída de bola, de chegar ao ataque. Estamos fazendo um revezamento legal dentro do jogo. Nos conhecemos muito bem. É a primeira vez que trabalho com o Arouca, ele vem me ajudando bastante – avaliou Gabriel.

A dupla volantes Gabriel e Arouca, base defensiva do Palmeiras. (Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação)
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+

A dupla volantes Gabriel e Arouca, base defensiva do Palmeiras. (Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação)

– Eu sei da qualidade que o Arouca tem. Eu confio muito na minha qualidade também. Quando eu vi que ele chegaria, fiquei muito contente. É um jogador de qualidade, e sempre quando temos jogadores neste nível procuramos estar melhor. Não deixa o grupo relaxado, em um estado acomodado. Isso deixa sempre em estado de alerta. O time está bem servido. A dupla com o Arouca supera minhas expectativas.

Foi justamente em uma finalização surpresa, de fora da área, que Gabriel marcou o gol da vitória do Palmeiras sobre o XV de Piracicaba, em partida válida pela 10ª rodada do Campeonato Paulista. Em um jogo truncado, com poucas chances para ambos os lados, o Verdão se valeu da aparição do volante no ataque para resolver a partida aos 39 minutos do segundo tempo.

Coincidentemente, a partida contra o XV foi realizada às 11h de um domingo, mesmo horário da partida contra o Botafogo, marcada para este fim de semana, dia 12, no Allianz Parque. Desta vez, porém, não há o “escape” do empate. Balançando ou não a rede, Gabriel espera que dessa vez o Palmeiras não sofra tanto e derrube o adversário para avançar à semifinal do Paulistão e manter o sonho do título.

– Quando eu soube que o jogo seria às 11h, fiquei feliz pelo fato de ter feito o gol e saído com a vitória. Contra o XV foi um jogo duro, eles perderam um jogador e se fecharam bastante. Foi um gol muito emocionante. Agora, nesse domingo, é o Botafogo. Sabemos que é uma equipe forte, mas o Palmeiras tem de se impor do começo ao fim. Temos o intuito de ser campeão. A primeira etapa é matar o Botafogo.

Ao longo da primeira fase, na qual o Palmeiras acumulou 10 vitórias, quatro derrotas e um empate, tanto os jogadores quanto Oswaldo de Oliveira pediram paciência à torcida sobre eventuais altos e baixos, dizendo que, no mata-mata, o Verdão estaria pronto.

O momento decisivo chegou, e Gabriel, que participou de 14 dos 15 jogos no estadual, acredita que a promessa está cumprida. A equipe está pronta para buscar a taça.

– (O time) Está pronto. São 15 jogos. É tempo suficiente para um conhecer o outro, a maneira como gosta de receber a bola, de se movimentar em campo. Ainda entrarão jogadores que não jogaram junto, que vão ser inscritos agora, mas o grupo está 100% para ir forte e ir para o título.

Ainda que o Palmeiras tenha terminado a etapa inicial do Campeonato Paulista com o pior retrospecto entre os quatro grandes, o volante assegura: o Verdão não está abaixo de seus rivais. Com 31 pontos, a equipe de Oswaldo acumulou um a menos que o São Paulo, três a menos que o Santos e seis a menos que o Corinthians, após 15 jogos disputados. Agora, o confronto é direto.

Em três clássicos disputados em 2015, o Palmeiras acumula uma vitória (3 a 0 sobre o São Paulo) e duas derrotas (2 a 1 para o Santos e 1 a 0 para o Corinthians). O “cão de guarda” assegura: com o time entrosado, o Verdão dará trabalho na fase final do Paulistão.

– Vejo um Palmeiras competitivo, que não deve nada para nenhum dos outros três grandes. Enfrentamos eles, fizemos jogos parelhos. Agora o Palmeiras está 100%. Não é desculpa pelas derrotas anteriores, mas é um processo natural que a equipe teve, de 20 contratações. Vamos brigar muito forte pelo título e também na Copa do Brasil e no Brasileiro. Não é pensar grande. É pensar como o Palmeiras tem de pensar.

"Não é pensar grande. É pensar como o Palmeiras tem de pensar" (Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação)
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+

“Não é pensar grande. É pensar como o Palmeiras tem de pensar” (Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação)

Fonte: Globoesporte

 

Veja mais

Autor: MP

Canal feito por palmeirenses e para palmeirenses. Notícias e opiniões com uma dose de arquibancada. Nossa missão é garantir informação de qualidade sobre a Sociedade Esportiva Palmeiras.

Compartilhe Este Post