Palmeiras tem maior lucro da história do Paulista com bilheterias

Palmeiras tem maior lucro da história do Paulista com bilheterias: R$ 15,4 milhões

Da receita bruta que o Palmeiras teve na primeira partida da decisão do Campeonato Paulista de 2015, R$ 4,1 milhões, descontadas as despesas, sobraram R$ 3 milhões. O clube encerra o Estadual desta temporada, portanto, com R$ 15,4 milhões de lucro, na soma dos dez jogos que fez como mandante, no Allianz Parque, e do confronto como visitante na Arena Corinthians válido pela semifinal. É o maior lucro da história da competição. Também o maior da história do clube neste campeonato.

 

Dos 39.479 pagantes presentes no estádio palmeirense no domingo, 100% compraram seus ingressos pela internet e 70,5% eram sócios-torcedores, de acordo com a assessoria do Avanti, programa de sócios alviverde. Os números mostram que o consumo da torcida palmeirense mudou drasticamente após a reinauguração da arena, bem como apontam quanto o Allianz Parque ajuda a alavancar o programa de associados e a fazê-los manter mensalidades em dia – quem paga tem preferência e desconto no tíquete.

 

O preço do ingresso foi também o mais alto do Palmeiras no estádio, com média de R$ 105,91, enquanto a média do clube em todo o Paulista encerrou em R$ 79,22. Criticada por parte da torcida por encarecer a entrada, a diretoria palmeirense diz se apoiar em estudos para fazê-lo.

 

– De forma nenhuma somos elitistas. Queremos ter a maior interação possível com os 16 milhões de palmeirenses em todas as faixas de renda. A prova disso é que o programa de sócios tem planos mais caros e mais baratos. A paixão palmeirense é o maior motor de crescimento das receitas do clube junto com resultados em campo – explica Luciano Kleimann, diretor-adjunto de marketing do Palmeiras, que levantou dados de público e bilheterias desde 2008 para embasar decisões na precificação.

 

– Encontramos um modelo de análise de preços para tomar decisões. Esse é o ponto central. Temos uma ferramenta dinâmica que observa resultados e demanda de partidas. Tem a ver com momento da competição, horário, dia, se é clássico. É uma análise dinâmica. Percebemos que o setor leste tinha menos ocupação e mudamos os preços dele. Aumentamos a ocupação de 26% para 90% com isso. Nossa meta é maximizar a ocupação do estádio e a receita do clube com um preço justo ao torcedor – completa o funcionário do marketing palmeirense, ex-diretor de marketing da Adidas no Brasil.

Veja mais

Autor: MP

Canal feito por palmeirenses e para palmeirenses. Notícias e opiniões com uma dose de arquibancada. Nossa missão é garantir informação de qualidade sobre a Sociedade Esportiva Palmeiras.

Compartilhe Este Post