8 motivos para acreditar na classificação do Verdão

A missão do Palmeiras para se classificar na Copa Libertadores não é fácil, mas não faltam motivos para o torcedor palestrino acreditar. Confira nossa lista!

“Sabe sempre levar de vencida. E mostrar que, de fato, é campeão!”

Faz parte do nosso hino, desistir nunca fez parte da história palmeirense. Em mais de cem anos, são incontáveis os exemplos de superação palestrina. Placares revertidos de forma incrível, vitórias que desafiaram os críticos e eram consideradas praticamente impossíveis para os matemáticos, que veem o futebol de forma fria. Mas o verde é a cor da esperança!

O Palmeiras hoje tem uma missão difícil para se classificar na Copa Libertadores. Com 5 pontos e em 3º lugar na fase de grupos, na última rodada teremos que vencer o River Plate-URU com margem de gols e torcer por uma vitória do Nacional-URU sobre o Rosario Central-ARG, em Montevidéu. (Veja: Os Resultados Para a Classificação do Palmeiras) Mas, não faltam motivos para acreditarmos. Resolvemos listar alguns para convencer os palestrinos mais céticos:

1- Rivalidade entre Argentina x Uruguai: A grande rivalidade entre argentinos e uruguaios transcende o futebol e se estende inclusive para os planos econômicos e históricos dos dois países latinos. O técnico uruguaio Darío Pereyra, ex-jogador do Palmeiras, já chegou a declarar que a rivalidade de seu país com a Argentina é a maior do continente. Segundo ele, uruguaios não gostam de perder para a Argentina “nem no pingue-pongue”. Imaginar um jogo “morno” ou “de compadres” na última rodada entre Nacional-URU e Rosario Central-ARG, em Montevideu, é menosprezar essa rivalidade.

2- Classificação do River Plate-ARG em 2015: O atual campeão da Copa Libertadores passou muito apertado pela fase grupos de competição no ano passado. Ao entrar na 5ª rodada, o time argentino respirava por aparelhos. Acumulava apenas 3 pontos (3 empates e 1 derrota) e enfrentava o Tigres-MEX, líder disparado do grupo, com 10 pontos, no México. Com 2×0 para os mexicanos até os 42 do segundo tempo, o River estava virtualmente eliminado da competição. Contudo, os argentinos conseguiram um empate heroico e foram para a última rodada dependendo de uma vitória em casa, com margem de gols, e tendo que torcer para uma vitória do Tigres, que já havia afirmado que jogaria a última partida com os reservas. Com muita emoção, o River conseguiu a classificação, como pior 2º colocado, e depois se tornou campeão continental.

3- Classificação do San Lorenzo em 2014: O conhecido “time do Papa”, só foi campeão da Copa Libertadores em 2014 após uma classificação muito complicada na fase de grupos do torneio. Um empate sofrido no último minuto da 5ª rodada fez com que os argentinos, com 5 pontos, precisassem tirar um saldo de gols, em casa, contra o Botafogo, e ainda torcer por um resultado favorável na outra partida. O San Lorenzo fez sua parte, vencendo por 3×0, mas teve que esperar o término da outra partida. O equatoriano Independiente del Valle vencia e, se ganhasse por dois gols de diferença do Unión Española, no Chile, o se classificaria no lugar do San Lorenzo. O jogo, de muitas viradas, terminou em 5 a 4 e os argentinos avançaram para serem campeões.

4- Classificação do Emelec em 2012: Os equatorianos do Emelec só conseguiram a classificação para o mata-mata da Libertadores ao final da última partida. O time dependia apenas de sua vitória, mas jogava pressionado pelo resultado do Flamengo e contra o forte Olimpia no Paraguai. Aos 42 minutos do segundo tempo, os equatorianos fizeram o sonhado gol, mas aos 46 os paraguaios empataram. De forma inacreditável, o Emelec voltou a marcar aos 47 e passou de fase na competição.

5- Classificação do Fluminense em 2011: O time de três cores do Rio de Janeiro chegou à última rodada em última colocação do grupo, precisava vencer o Argentinos Juniors, em Buenos Aires, e ainda torcer por uma derrota do Nacional-URU para o América do México, em Montevidéu. Em caso de empate, o time das Laranjeiras precisava superar o saldo de gols dos uruguaios. Para “ajudar”, horas antes da decisão, Emerson Sheik, na época um dos principais jogadores do elenco, foi afastado por indisciplina. Com um improvável 4 a 2 na Argentina e o empate uruguaio, o Fluminense avançou na Libertadores.

Que mais? Vamos para situações do próprio Palmeiras que nos motivam a acreditar sempre:

6- Classificação em 2009: No “grupo da morte” da Libertadores em 2009, o Palmeiras somava 4 pontos até a 5ª rodada, precisando de uma vitória sobre a LDU do Equador, no Palestra, para conseguir levar a decisão da vaga para Santiago, no Chile, contra o forte Colo-Colo. Vencemos os equatorianos, mas aos 18 minutos do 2º tempo, em Santiago, ficamos com um jogador a menos após a expulsão do zagueiro Marcão. A eliminação parecia clara, quando Cleiton Xavier, aos 42 do segundo tempo, arriscou de muito longe e mandou no ângulo direito do goleiro do time chileno.

7- Quartas de final Copa do Brasil 1999: Em meio a uma maratona de jogos com Campeonato Paulista e Copa Libertadores o Verdão enfrentava o Flamengo. Após perder por 2 a 1 no Rio de Janeiro, o Palmeiras precisava da vitória no Palestra Itália para avançar no torneio. A situação era normal, até levarmos um gol com menos de um minuto de jogo. Oséas conseguiu o empate aos 12 do segundo tempo, mas foi seguido de um balde de água fria, 2 minutos depois o Flamengo voltou a ficar a frente. A situação ficava dramática, com a vantagem carioca e gols fora de casa, o Palmeiras precisaria de 3 gols em 30 minutos para conseguir a classificação. E foi exatamente isso que aconteceu! Junior marcou aos 15 e Euller fez 2 após muita confusão em cobranças de escanteio, aos 41 e 42.

8 – Quartas de final Copa Libertadores 1995: Com grandes elencos, Palmeiras e Grêmio disputavam uma vaga na semifinal da Libertadores. Na primeira partida, em Porto Alegre, muita confusão, Rivaldo e Valber expulsos e o time gaúcho conseguiu o expressivo placar de 5 a 0. Era praticamente unanime para a volta: o Grêmio já estava classificado. Para “ajudar”, além dos dois desfalques pela expulsão, Roberto Carlos sofreu uma contusão dias antes. Como reverter uma vantagem deste tamanho? No Palestra, aos 8 o Grêmio ainda fez mais um gol, seria a gota d’agua para outros times, mas o Palmeiras não se entregou. Com muita entrega os gols foram saindo: 1×1, 2×1, 3×1, 4×1 e 5×1 quando faltavam 5 minutos de jogo. A classificação não veio, o gol sofrido em casa foi cruel, mas após esta partida histórica a lição estava dada.

Nossa história é repleta de momentos de superação, onde contrariamos a todos que duvidavam de nós. Que o próximo dia 14 de abril, seja mais um destes dias. Façamos a nossa parte. Estaremos no Allianz Parque, torceremos e acreditaremos, até o fim!

Veja mais

Autor: MP

Canal feito por palmeirenses e para palmeirenses. Notícias e opiniões com uma dose de arquibancada. Nossa missão é garantir informação de qualidade sobre a Sociedade Esportiva Palmeiras.

Compartilhe Este Post